Programação

MAR na Academia - Seminário Internacional: Por uma estética do século XXI

A Coleta da Maresia (2001), Brígida Baltar
No debate tradicional da modernidade, o pensamento disciplinar sobre a estética se orientava a partir de dois paradigmas principais: ela poderia ser compreendida como teoria da aisthesis (sensibilidade) - noção ampliada e difundida por Alexander Baumgarten - ou como reflexão sobre as artes e a poiesis (produção, criação), em que se pressupõe o juízo sobre o belo e o sublime - sistematizado pela filosofia das artes de Hegel. No contexto da cultura contemporânea, o debate em torno da estética se complexifica, já não podendo mais se limitar às polaridades dos paradigmas da tradição. Diante da proliferação de imagens, da expansão da comunicação e das trocas culturais transnacionais, os desafios do século XXI nos mobilizam a pensar novas categorias estéticas, que possam servir de análise para pensar a experiência contemporânea. De que modo podemos compreender o sensível hoje? Quais desdobramentos e implicações nos levam a considerar a estética no século XXI?

O seminário é uma parceria do MAR, por meio do Programa MAR na Academia, com docentes e discentes da ECO-UFRJ: Denilson Lopes, Gabriela Lírio, Júlio Bezerra, Camila Vieira e Lucas Murari.

Haverá tradução simultânea para todas as conferências. 

O seminário é gratuito e sem inscrições prévias. Sujeito a lotação do auditório (100 vagas). Haverá 25 vagas destinadas a palestrantes, mediadores e outros convidados. Caso essas não sejam ocupadas, serão liberadas dez minutos antes de cada sessão começar.

As pulseiras serão entregues por ordem de chegada na recepção do museu.

Horário de distribuição de pulseiras:
25/08 – 17h
26/08 – 14h
27/08 – 14h

Certificado será emitido para 75% de participação. 

25 de agosto (terça-feira)

Às 18h
Abertura

Mediação: Denilson Lopes (UFRJ)

Hans Ulrich Gumbrecht (Universidade Stanford)
A experiência estética perdeu a sua "autonomia"? Uma dupla reflexão genealógica. 

Existem várias razões para acreditar que a vida cotidiana global no início do século XXI é penetrada por momentos de experiência estética. Em sua acumulação, esses efeitos parecem ter minado o status de "autonomia" ao qual Kant [entre outros filósofos do Iluminismo] estava se referindo com o conceito de "desinteresse" da experiência estética. Esta observação desencadeia uma reflexão genealógica apontando, com a ajuda de duas perguntas diferentes, duas dimensões temporais opostas. Em que condições o fenômeno histórico e a noção de "experiência estética" emergiram na modernidade ocidental? Devemos compreender a dissolução da "autonomia estética" como um sintoma para o desaparecimento iminente de "experiência estética" como um potencial individual e social da existência humana?

A conferência será proferida em português.

26 de agosto (quarta-feira)

15h
Mesa 1 - Atmosfera e Fantasmagoria 
Mediação: Alex Martoni (UFF)

José Sanchez (Universidade de Castilla La Mancha)
Presença e desaparecimento 

A conferência será proferida espanhol. 

Erick Felinto (UERJ)
As Imagens Inconstantes: sobre as Ambiências no Cinema

18h
Mesa 2 - Sensível
Mediação: Julio Bezerra (UFRJ)

Nicole Brenez (Universidade de Paris III - Panthéon-Sorbonne)
O conceito de arte à luz do documentário

A conferência será proferida em francês. 

César Guimarães (UFMG) 
A estética por vir

27 de agosto (quinta-feira)

15h
Mesa 3 - Artifício
Mediação: André Antônio (UFRJ)

Angela Prysthon ( UFPE)
Furiosas frivolidades: artifício, heterotopias e temporalidades estranhas no cinema brasileiro contemporâneo

Denilson Lopes (UFRJ)
Afetos e Artifício na América Latina

18h
Encerramento
Mediação: Gabriela Lírio 

Rosalind Galt (Universidade de Londres)
Artifício, estilo e frivolidades na estética do cinema contemporâneo

A conferência será proferida em inglês. 

Realização:

Museu de Arte do Rio (MAR)
Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGAC/UFRJ)
Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGCOM/UFRJ)

Apoio:

CAPES
Cinemateca do MAM
Consulado da Espanha
Consulado da França
FAPERJ

Biografia

Hans Ulrich Gumbrecht é professor de Literatura Comparada na Universidade de Stanford, Califórnia. Foi professor em Konstanz, onde se doutorou, Bochum e Siegen, antes de migrar para os Estados Unidos. Sua obra é marcada pelo desejo de extrapolar a hermenêutica literária, abordando temáticas que passam pela dança, pelos esportes, pelas imagens, pelo corpo e pelos sentidos. Publicou no Brasil, entre outros livros, Modernização dos sentidos (1998, Editora 34) e Em 1926: vivendo no limite do tempo (1999, Record), Atmosfera, ambiência, Stimmung (2014, Contraponto).

Mediador

Denilson Lopes é Professor Associado da Escola de Comunicação da UFRJ, pesquisador do CNPq e autor de No Coração do Mundo: Paisagens Transculturais (Rocco, 2012), A delicadeza: estética, experiência e paisagens (UNB, 2007), O homem que amava rapazes e outros ensaios (Aeroplano, 2002) e Nós os mortos: melancolia e neo-barroco (Sette Letras, 1999), coorganizador de Silviano Santiago y los Estudios Latinoamericanos (Iberoamericana, 2015), de Cinema, globalização e interculturalidade (Argos, 2010).