Programação

Ofícios e Saberes da Região | Casa Omolokum

12; 13 e 14 de julho de 2018 | Local: Museu de Arte do Rio

Gratuito
Vagas: 25.

Fundamentado numa cultura da coletividade, o samba faz parte de um complexo cultural afro carioca que se articula com diferentes modos de viver. Vivo e orgânico o samba está em constante diálogo com a ancestralidade e os movimentos de resistência e reinvenção.  Esta edição do ofícios e saberes da regiãovai mergulhar no universo do samba com a Casa Omolokum,  a partir das potências próprias da música e da culinária de herança africana. O curso está estruturado entre vivências rítmicas e etnoculinária, que perpassam os processos históricos e culturais de conformação da cidade. 
Abordaremos as conexões do Samba de Terreiro e dos Sambas presentes em diferentes regiões do país, como Samba de Chula, o Samba Duro e o Samba Afro, assim como a essência do Samba raiz de Cachoeira da Bahia e Santo Amaro da Purificação (BA), valorizando as claves rítmicas e evoluções instrumentais. Os instrumentos usados no curso mostrarão a importância e a semelhança do Samba atual com as manifestações de transe de expressão dos rituais de Monjolo e Cabula, ambos os ritmos da cultura Bantu. O encontro se encerra com os processos históricos e culturais da culinária de azeite, também conhecida como comida de axé, degustação e roda de samba. 
Ofícios e Sabres da Região é um curso que faz parte do Programa Vizinhos do MAR, no qual a cada semestre, convidamos um morador ou instituição da região portuária do Rio de Janeiro para compartilhar seus saberes no museu. Com um uma metodologia saber-fazer, o curso promove a aprendizagem de práticas artísticas e um diálogo com a cultura visual da cidade.

Programação:
12 de Julho (Quinta-feira), 15h às 18h - Vivência Rítmica - MAR

Conduzida por Bruno Oliveira (Oga Onilú) a vivência rítmica está dividida em quatro fases e visita a exposição O Rio do Samba: Resistência e Reinvenção.

Fase 1: Apresentação dos instrumentos e exercícios de percepção rítmica;

Fase 2: Exercícios de experimentação em grupo envolvendo Claves étnicas e atuais dos ritmos do Samba, com ênfase no Samba de Chula e Samba Duro.

13 de Julho (Sexta-feira), 15h ás 18h - Vivência Rítmica - MAR

Fase 3: Visita a exposição O Rio do Samba: Resistência e Reinvenção.

Exercício em grupo envolvendo cânticos do Samba de Terreiro e marcações rítmicas do samba.

Fase 4: Apresentação em  conjunto dos instrumentos envolvendo os cânticos e palmas fazendo as Claves.

14 de julho (sábado), às 13h – Vivência Etnoculinária - Casa Omolokum
Conduzida por Leila Leão a oficina vivência etnoculinária abordará as histórias e as influências da comida de azeite, conhecida também como comida de dendê ou comida de axé, na cultura carioca, principalmente suas conexões com o samba e a região portuária. A importância dos alimentos, da preparação e os movimentos de resistência e reinvenção que atravessam a culinária ancestral de herança africana. O encontro será finalizado com roda de samba e a degustação do feijão gordo, também conhecido como feijoada baiana – influência do samba de roda de Cachoeira (BA), e do Acarajé com Vatapá e Caruru – das tias baianas.

Sobre a Casa Omolokum
Movimento de resgate, valorização e releituras da culinária de azeite, também conhecida como comida de dendê, integrada com a musicalidade, arte e história.
Bruno Oliveira (Oga Onilú) responsável pela cerimônia musical sagrada do Candomblé. Músico percussionista popular e pesquisador.
Leila Leão – Cozinheira especializada em culinária sagrada de orixá e comida de azeite. Etnoculinarista e pesquisadora da herança gastronômica na zona portuária.

Inscrições aqui